• Dra. Camila Couto e Cruz

Morando no Exterior: “É difícil criar uma conexão real com as pessoas aqui”

Updated: Mar 12


Muitas pessoas que se mudam para o exterior, levam consigo a ideia, de que em termos de relações sociais e de networking, a vida será muito parecida com a que elas tinham no Brasil.


Por existirem vários grupos de brasileiros no exterior, as pessoas imaginam que neles há uma comunidade muito unida. Essa impressão, faz com que muitos pensem que será fácil se inserir em um grupo e fazer amizades sólidas.


Mesmo sabendo que existe uma certa dificuldade em fazer amizades com pessoas locais, acredita-se que entre os imigrantes ou nesses grupos de brasileiros, será mais fácil criar conexão.


Acontece que aquelas amizades profundas que se tinha na terra natal, amigos de infância, primos e pessoas com as quais se conviveu a vida inteira, são vínculos que levam tempo para serem construídos. Mesmo porque, as pessoas que já vivem no exterior estão inseridas em algum grupo e já tem seu próprio círculo de amizades.


Outra questão importante é que quem acabou de chegar está apaixonado pelo novo país, tudo é novidade, quer curtir, aproveitar. Quem mora ali há algum tempo, já passou dessa fase, criou uma rotina, está com a vida mais estruturada.


A dificuldade de se integrar a esses grupos, seja por afinidade, ou pela experiência da vivência no exterior, acaba dividindo os recém chegados, daqueles que já estão com a vida consolidada.


Alguns até estabelecem uma relação de amizade com colegas de cursos, ou de trabalho. Mas, a maioria desses colegas ou das pessoas que faziam parte desse grupo inicial acabam se dispersando, criando novas conexões ou até mesmo retornando ao seu país de origem.


Essa falta de vínculo duradouro deixa um vazio muito grande, principalmente, após os seis primeiros meses ou o primeiro ano de vida no novo país. O vai e vem de pessoas torna-se cansativo e causa sofrimento.


O sentimento de solidão é comum entre os brasileiros que vivem no exterior, sentir-se deslocado socialmente, não ser parte permanente de nenhum grupo. Sensação de instabilidade nas relações interpessoais.


Inicia-se então, uma busca por maior profundidade e estabilidade nas relações. A necessidade de um suporte, de ter com quem contar nos momentos difíceis e ter com quem compartilhar as alegrias, ou seja, a presença de um amigo se torna essencial.


Portanto, se você se sente sozinho, busque o apoio dos seus familiares e dos amigos que ficaram no Brasil, a tecnologia de hoje nos permite manter um contato próximo com quem amamos, mesmo à distância. Ter amparo nesse momento é fundamental.


Mas, se você perceber que a solidão está se tornando um problema, talvez seja o momento de procurar ajuda profissional. Um psicoterapeuta está preparado para te apoiar e auxiliar nesse momento difícil.


Se você se identificou com os assuntos tratados neste post e gostaria de aprofundar-se no autoconhecimento através da psicoterapia ONLINE, entre em contato comigo clicando aqui. Desta forma eu poderei explicar mais sobre o meu trabalho para você e você poderá tirar dúvidas sobre a psicoterapia ONLINE.


Links Úteis:


Agendamento de consultas com a Dra. Camila Couto e Cruz


Siga as redes sociais para ter acesso a conteúdos como esse diariamente:


Facebook


Instagram


Quem escreve:


Camila Couto e Cruz é psicóloga com formação em Gestalt-Terapia e doutorado em Psicologia Social pela University of Queensland; uma das 50 melhores universidades do mundo, de acordo com o QS World University Ranking. Camila trabalha com psicoterapia na modalidade online, atendendo brasileiros que vivem no exterior através de uma abordagem dinâmica, voltada para a autorregulação e ajustamento criativo do indivíduo. Agende uma sessão informativa sobre a psicoterapia online, sem nenhum custo, clicando aqui.

260 views0 comments