• Dra. Camila Couto e Cruz

Morando no exterior: "A verdade é que ninguém fala sobre a solidão do imigrante"

Updated: Mar 12



O brasileiro que decide morar no exterior é confrontado o tempo todo com desafios que dificilmente ele teria que enfrentar se permanecesse em sua terra natal. O principal desafio a superar, com certeza se refere a adaptação. Adaptar-se ao novo local, aos costumes, ao clima, a comida e as pessoas.


Ao longo da nossa vida, fazer amizades sempre nos pareceu um processo natural, que acontece de forma espontânea, sem grandes esforços. Conquistamos grandes amigos na escola, no curso de inglês, nas brincadeiras com vizinhos da rua ou do prédio. Na infância e na adolescência fazer amigos era rápido e fácil.


Na vida adulta, tudo se torna mais complicado e criar laços profundos de amizade com alguém, também fica mais difícil.


Mesmo morando em seu país de origem, estabelecer um vínculo de amizade na fase adulta, não é uma tarefa simples. Adultos já possuem uma história de vida, uma maneira de pensar e agir, e tem seus objetivos para buscar. Vivendo em outro país e adicionando a tudo isso, os costumes, a cultura e a nova língua, a dificuldade se torna ainda maior.


O encontro inicial com novas pessoas, geralmente acontece no local de trabalho, nos cursos ou festas, e são a partir desses encontros que as amizades começam a fluir. Mas, a rotatividade de pessoas, devido a mudança de emprego, de cidade, de bairro e até mesmo o retorno ao país de origem, podem impedir a criação de maiores conexões para quem mora em outro país.


Podemos dizer, que algumas vezes, a vida do brasileiro que vive no exterior parece uma grande porta giratória, onde circulam muitos indivíduos, mas ninguém permanece por tempo suficiente, e isso acaba deixando um grande vazio.


O sentimento de tristeza pode levar algumas pessoas a um embotamento emocional. Cria-se uma aversão a situações sociais, pelo medo de conhecer alguém e estabelecer um vínculo de amizade que pode se desfazer a qualquer momento.


É importante desde o início entender qual é o seu caminho nessa jornada e buscar pessoas que estejam procurando o mesmo que você. Somente assim, vai ser possível evitar tantos encontros e desencontros.


Se o seu interesse é passar um longo período fora do seu país, procure pessoas com a mesma intenção que a sua. A chance de rotatividade nesse caso, será bem menor e, portanto, a probabilidade de manter o elo de amizade por mais tempo será maior.


É necessário procurar “a sua turma”, pessoas com visões e projetos parecidos com os seus para gerar relações mais profundas. Mas, para que isso aconteça é preciso expandir as oportunidades de se conectar.


Procurar grupos com interesses em comum é um caminho. Grupos para a realização de atividades físicas, voluntariado, fotografia, culinária, clube do livro em bibliotecas, etc. São muitas as atividades que podem ser feitas em grupos e proporcionar vínculos significativos de amizades.


Mas se você sente que está com dificuldade de se colocar em situações sociais, tem vergonha de buscar novas amizades ou está exausto por ver tantos amigos se afastando, talvez seja o momento de procurar o apoio de um profissional.


Um Psicoterapeuta poderá te ajudar a entender de onde vem esses sentimentos e trabalhar maneiras para te auxiliar, fazendo com que você volte a ser uma pessoa ativa em sociedade, compartilhando momentos de descontração com outras pessoas.


Se você se identificou com os assuntos tratados neste post e gostaria de aprofundar-se no autoconhecimento através da psicoterapia ONLINE, entre em contato comigo clicando aqui. Desta forma eu poderei explicar mais sobre o meu trabalho para você e você poderá tirar dúvidas sobre a psicoterapia ONLINE.


Links Úteis:


Agendamento de consultas com a Dra. Camila Couto e Cruz


Siga as redes sociais para ter acesso a conteúdos como esse diariamente:


Facebook


Instagram


Quem escreve:

Camila Couto e Cruz é psicóloga com formação em Gestalt-Terapia e doutorado em Psicologia Social pela University of Queensland; uma das 50 melhores universidades do mundo, de acordo com o QS World University Ranking. Camila trabalha com psicoterapia na modalidade online, atendendo brasileiros que vivem no exterior através de uma abordagem dinâmica, voltada para a autorregulação e ajustamento criativo do indivíduo. Agende uma sessão informativa sobre a psicoterapia online, sem nenhum custo, clicando aqui.

1,346 views0 comments